Imagem Original de Nossa Senhora de Nazaré retorna ao Glória

Foto: Luiz Estumano

Na manhã desta segunda (25), em uma cerimônia que emocionou a todos que estavam acompanhando presencialmente ou pelos meios de comunicação da Fundação Nazaré, a Imagem Original de Nossa Senhora de Nazaré, retornou ao Glória da Basílica Santuário, conduzida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa e pelos integrantes da Diretoria da Festa. A Imagem da Rainha da Amazônia, ficará no altar-mor, até maio do ano que vem, onde é retirada em uma celebração em comemoração ao aniversário de elevação da Paróquia de Nazaré à categoria de Santuário Mariano.

“Na igreja, uma das coisas mais linda que Nossa Senhora faz, é conduzirmos para participar bem da missa, pois, a Virgem Maria, sempre nos conduz a Jesus. Gesto que fazemos a cada dia de Recírio, mesmo que hoje não tenhamos recebido a permissão de fazer a procissão, mas nós fazemos o nosso Recírio, com simplicidade solene, aqui na igreja, na Basílica. Esse gesto, piedoso que realizamos, Nossa Senhora nos prepara para participar da missa, que é o coração da vida da igreja”, disse Dom Alberto, antes de iniciar a celebração eucarística.

Logo depois, aconteceu a missa do Recírio, presidida pelo Bispo Auxiliar, Dom Antônio de Assis Ribeiro, aberta ao público com um número limitado de fiéis, respeitando as normas de vigilância.

A homilia, ficou por conta do Arcebispo Dom Alberto, que partilhou a graça de mais um círio.

“Estamos terminando a celebração de mais um Círio de Nazaré, mais de 200 anos o povo de Belém, se reúne para manifestar a sua devoção a Nossa Senhora de Nazaré, por obra e graça do amor de Deus, mas também, do esforço e devoção do povo de Belém, essa mesma devoção, se espalhou por todas as partes”, disse o Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa.

Foto: Luiz Estumano

“Durante esse círio, nós fomos para a casa de Maria, aprendemos o evangelho da família, descobrimos a beleza das nossas famílias, no ano que o papa dedicou a família, no ano dedicado a São José, no tempo da missão, no tempo importante de preparação da assembleia latina e americana e caribenha do povo de Deus, no tempo do nosso sínodo da arquidiocese, quando queremos dizer ‘Belém, uma casa de portas abertas’, a alegria encheu a cidade. Nós, cristãos católicos, não temos o direito de sermos pessoas fechadas, não temos o direito de sermos pessoas que ficam de cara fechada, não temos o direito de sermos homens e mulheres tristes. Queremos fazer que as nossas cidades se encham de alegria e essa é a nossa missão. O Círio traz essa missão!”, afirmou Dom Alberto Taveira.

Pelo segundo ano consecutivo, não foi realizado a tradicional procissão que sai do Santuário, rumo a Capela do Colégio Gentil Bittencourt, por conta da pandemia do covid-19. Ao fim da missa, flores que decoravam a berlinda, foram dadas aos fiéis.

História

Com 28 cm de altura e fisionomia de uma senhora portuguesa, a Imagem Original, encontrada no ano de 1700, pelo caboclo Plácido José de Souza, às margens do rio Murucutu, representa o início da tradição do Círio de Nazaré em Belém do Pará. É uma escultura de madeira em estilo Barroco.

Há registros da primeira procissão do Recírio logo na primeira metade do século XIX, em 1859. Anteriormente, era feito no domingo à tarde com a volta da imagem para a capela do Palácio do Governo. Conhecido como “último ato da festividade nazarena”, ao chegar na praça em frente ao Palácio, a procissão era encerrada com uma missa e com o disparo de fogos de artifício.

 

 

 

Compartilhe essa Notícia

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Leia também