Certamente os adultos já se encantaram olhando ao longe as brincadeiras e jogos de crianças, sabendo inclusive que passamos pelas mesmas etapas, o que pode parecer perda de tempo para pessoas, quem sabe, envelhecidas e encarquilhadas nas pretensões da correria desenfreada, tirando-lhes o gosto do descanso, do lazer e da convivência serena. Quem sabe seja hora de aprender com a Escritura, que via a sabedoria de Deus alegrar-se com a presença do Senhor. E ela diz assim: “Eu estava ao seu lado como mestre-de-obras; eu era seu encanto, dia após dia, brincando, todo o tempo, na sua presença, brincando na superfície da terra e alegrando-me em estar com os filhos dos homens” (Pr 8,30-31). Vista assim, a vida pode ser vista como um agradável jogo de amor, quando por amor somos criados por Deus, no amor somos chamados a viver, e levaremos para a eternidade somente o amor, convicção que desejamos compartilhar com São Paulo (1 Cor 13,13): “Atualmente permanecem estas três: a fé, a esperança, a caridade. Mas a maior delas é caridade”.

Como o amor de Deus nos precede, pois foi ele que nos amou por primeiro (Cf. 1 Jo 4,19), desejamos acompanhar aquele que é verdadeiramente Deus e homem, para verificar como organizava seus dias e descobrir os caminhos com os quais entra em nossa vida (Cf. Mc 1,29-39). Podemos começar antes do dia clarear: “De madrugada, quando ainda estava bem escuro, Jesus se levantou e saiu rumo a um lugar deserto. Lá, ele orava”. Seu dia começa na intimidade com o Pai. Oração não é em primeiro lugar peditório, mas colocar-se e estar na presença de Deus. E ela é, para nós, na terra, trazer para cá a linguagem da Trindade, onde o amor circula entre as pessoas da Trindade, tanto que, quando o Senhor nos indicou o seu mandamento, disse que se trata de amar uns aos outros como ele nos amou! É como um sotaque que Jesus nunca perde!

O Evangelho no-lo mostra na Sinagoga de Cafarnaum, lugar na Palavra e da Oração. De fato, “no sábado, Jesus foi à sinagoga e pôs-se a ensinar”. Parece-nos ter sido pela manhã! Oração pessoal, oração em comunidade, ensino da Palavra. E o faz com autoridade, superando ensinamentos, quem sabe, repetitivos de outros que se arvoravam como mestres!
Ainda na Sinagoga, liberta um homem do poder do demônio, enfrenta corajosamente a presença do mal. Jesus não pode compactuar com qualquer presença do maligno. Ele não se corrompe e, mais ainda, repreende a presença do mal. O demônio, não podendo, converter-se, apenas ameaça. Caridade e coragem atualíssimas, para enfrentarmos as ondas e ameaças do mal que se espalha e tenta os filhos de Deus.

Logo em seguida, como ninguém passa em vão a seu lado, cura de uma febre a sogra de Simão Pedro. Parece que era hora de almoço, pois aquela que foi curada se põe imediatamente a servir, o que pode transpor os séculos para que nosso reconhecimento pelos dons de Deus se traduza imediatamente em serviço e caridade! E ao pôr do sol, é uma verdadeira multidão que se aproxima de Jesus, e ele completa seus atos de amor e serviço, curando e transformando a vida de todos!

No dia seguinte, encontrado em oração num lugar deserto, lança seus discípulos a novos desafios, conduzindo-os à aventura missionária, e sua fama se espalha por toda parte. O Senhor é incansável, e quer chegar a todos. Entretanto, não podemos deixar de colher aqui ensinamentos para nossa própria vida e vocação. De fato, todos nós somos provocados pelo amor infinito de Deus, que não exclui quem quer que seja, e oferece lugar, vocação e missão a todos. Se nos perguntarmos a respeito dos passos a serem dados para cada pessoa encontrar o seu lugar, sua vocação e missão, aqui estão algumas indicações, recolhidas do Evangelho.

Não falte em nossa vida o tempo de oração pessoal, no tu a tu com o Pai do Céu, em nome de Jesus e na força e inspiração do Espírito Santo. Há alguns anos, escutei de um sábio sacerdote um conselho: boa medida é dar a Deus pelo menos um dízimo diário em oração pessoal. Se alguém trabalha por oito horas, experimente ser criativo e dar a décima parte em contato com o Senhor, especialmente se for iluminado pela Palavra de Deus, por exemplo, através das muitas propostas de leitura orante – Lectio divina – da Palavra. Melhor ainda se for o texto proposto pela Igreja para cada dia.

A oração comunitária, na certeza do que o Senhor ensinou: “Se dois de vós estiverem de acordo, na terra, sobre qualquer coisa que quiserem pedir, meu Pai que está nos céus o concederá. Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou ali, no meio deles.” (Mt 18,19-20). Participação na Santa Missa, Adoração Eucarística, Momentos de Oração em Comunidade e Grupos, Oração do Rosário, rezar juntos com as propostas oferecidas atualmente também pelos meios de Comunicação. Este é espaço privilegiado para Deus se manifestar, chamar, consagrar e enviar pessoas em missão.

Se alguém procura responder com amor ao jogo iniciado pelo próprio Deus, que conduzirá ao final feliz em que Deus e cada um de seus filhos e filhas “ganham o campeonato da vida”, haverá de seguir a Jesus na prática do amor de caridade, abrindo os olhos, as mãos e o coração para fazer o bem, cada qual com as capacidades e os dons recebidos. Assim como fez o Senhor, ninguém passe em vão ao nosso lado, mas todos se sintam acolhidos e amados.

Nosso lugar na Igreja será encontrado na oração pessoal, na vida comunitária – Oração, Eucaristia e Sacramentos – na prática da Caridade e nas experiências de Missão. Este é um roteiro vocacional adequado para crianças, adolescentes, jovens e adultos, ninguém excluído, e encontrado na agenda diária de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

Neste primeiro domingo de fevereiro, jovens de todas as partes da Arquidiocese Belém estão reunidos para uma experiência de Partilha, Testemunhos de vida, Oração, Eucaristia, Adoração e Envio Missionário. Venham e vejam!

Leia nossos Colunistas