As rosas também têm espinhos – Parte 06

 

As rosas são as flores mais lindas e mais famosas do mundo pela sua beleza e pelo seu perfume.
Namorados, noivos e maridos costumar ofertar rosas às suas amadas como sinal do seu amor.
Alguns namorados pensam que seu casamento será um mar de rosas, sem problemas, sem diferenças e sem sofrimentos, mas é ilusão.
As rosas são maravilhosas, mas elas também têm espinhos.
Assim é o casamento. Na convivência sempre haverá problemas.
Cada pessoa é diferente da outra na mentalidade, criação, valores, atitudes, modo de pensar que só se revelam na convivência.

O namoro é geralmente dominado pela paixão e pelo instinto sexual que minimizam e sublimam a realidade. A paixão torna a pessoa cega e surda que nada vê e que não escuta ninguém.
Mas a paixão é passageira, dura pouco e some. Depois as diferenças se mostram, e podem surgir atritos, brigas e espinhos que ferem.
Alguns casais não têm a maturidade, a preparação, a virtude e a ajuda necessárias para enfrentar e superar os seus problemas.
É de grande valia a preparação e a ajuda da Pastoral Familiar para o sucesso do casamento. Um cursinho de poucas horas ajuda quase nada.

O Diretório da Pastoral Familiar da CNBB, nº 268 diz que o Curso de preparação para o matrimônio seja dado por equipe competente, e que seja concluído pelo menos uns 6 meses antes da data do casamento, tempo necessário para fazer propósitos e as mudanças necessárias.
Infelizmente raríssimas Paróquias e Dioceses cumprem essa norma.
O matrimônio pode ser um mar de rosas, mas elas têm espinhos.
A debilidade humana, a falta de maturidade, o individualismo exagerado, a falta de equilíbrio e de preparação para assumir e cumprir deveres essenciais do matrimônio são fontes de sofrimentos e decepções, mesmo em cristãos praticantes e cheios de boa vontade.

A oração em casa e na Igreja, os retiros para casais, ECC, Cursilho de Cristandade, Palestras e Encontros são de grande valia.
É melhor é prevenir e não esperar para resolver os problemas depois, pois podem chegar como tsumani e submergir a família.

Leia nossos Colunistas