Homilia Dominical – Jo 15,1-8

5° Domingo da Páscoa - Evangelho - Jo 15,1-8. ANO B I LIBRAS

A) Texto: Jo 15,1-8
Disse Jesus a seus discípulos: 1“Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor. 2Todo ramo que em mim não dá fruto, ele o corta; e todo ramo que dá fruto, ele o limpa, para que dê mais fruto ainda. 3Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei. 4Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim também vós não podereis dar fruto se não permanecerdes em mim. 5Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer. 6Quem não permanecer em mim será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados.7Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado. 8Nisto meu Pai é glorificado: que deis muito fruto e vos torneis meus discípulos”.

B) Comentário
Jesus diz: “Eu sou a videira e vós os ramos” (v 5). Ele se define na relação efetiva e afetiva de sua pessoa conosco e da nossa com ele. Nesta relação está a energia da vida e a correspondência do mestre: “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós” (v 4). Assim, a fecundidade de nossa existência cristã depende de Jesus, fonte dela, pois ele nos diz: “sem mim nada podeis fazer” (v 5).

O permanecer em Jesus é garantia de êxito: “Aquele que permanece em mim e eu nele, esse produz muito fruto” (v 5). Agindo ao contrário, seria um fracasso, pois o mesmo nos comenta: “Quem não permanecer em mim será lançado fora como um ramo e secará” (v 6). Claro que todos nós queremos vencer, ganhar, encontrar, recuperar, chegar onde desejamos! Então, eis a clave do segredo: Permanecer unidos a Ele!

Jesus ao apresentar-se como “videira verdadeira”, se refere à “vinha do Senhor” presente nos profetas (Is 5,1-7; Jr 2,11) e salmos (Sl 80,8-19), como imagem do povo de Deus, Israel, que está sob os cuidados do Senhor: o povo se perverte e Deus o converte, recupera. Ora, a perdição e recuperação, ou precisamente o julgamento final (Mt 20,1-16; 21,28-44) do povo da aliança e de cada pessoa é objeto precioso dos cuidados de Deus, que se empenha na salvação de todos.

No itinerário espiritual do povo da aliança é determinante o valor da “escuta” da Palavra: “shemá Israel” (Dt 6,4). E aqui Jesus chama a atenção para a importância de sua palavra: “Vós já estais limpos por causa da palavra que eu vos falei” (v 3). Logo conclui o mestre: “Pedi o que quiserdes e vos será dado” (v 7).

Ó Senhor será verdade que podemos pedir tudo, tudo o que quisermos? Sim, tudo; tudo vos será concedido, “se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós” (v 7).

É precioso contemplar este Jesus que não deixa de se encantar com seu Pai. Ele declara: eu sou a videira; e prossegue no mesmo pensamento: …e “meu Pai é o agricultor”. Jesus está sempre com o Pai, e nós estejamos sempre com Jesus! Quando ele fala de si, já está falando do Pai que age nele e ele no Pai. O tema do nosso necessário vínculo com Jesus se baseia na própria experiência dele com o Pai. Certa vez disse: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10,30).

Leia nossos Colunistas