Homilia Dominical – Lc 15, 1-32.

 

A) Texto: Lc 15,1-32.

1Os publicanos e pecadores aproximavam-se de Jesus para o escutar. 2Os fariseus… e os mestres da lei criticavam Jesus: “Este homem acolhe os pecadores e faz refeição com eles”. 3… Jesus contou-lhes…: 4“Se um de vós tem cem ovelhas e perde uma, não…vai atrás daquela que se perdeu…? 5Quando a encontra… reúne os amigos e…diz: ‘Alegrai-vos comigo! Encontrei a minha ovelha… perdida!’ 7… haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte… 8E se uma mulher tem dez moedas… e perde uma…? 9Quando a encontra… diz: ‘Alegrai-vos comigo!’ 10-11E Jesus continuou: “Um homem tinha dois filhos. 12O… mais novo disse… ‘Pai, dá-me a parte da herança…’. E o pai dividiu os bens…13… juntou o que era seu e partiu… E ali esbanjou…14Quando tinha gasto… houve grande fome…15…foi… cuidar dos porcos. 16… queria matar a fome…17… e disse: ‘Quantos empregados do meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome. 18 Vou… voltar para meu pai e dizer-lhe: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti; 19 já não mereço ser chamado teu filho… 20… Quando ainda estava longe, seu pai… Correu-lhe ao encontro, abraçou-o e cobriu-o de beijos.21O filho… lhe disse: ‘Pai, pequei contra Deus e contra ti. Já não mereço ser… teu filho’. 22 Mas o pai disse…: ‘Trazei depressa a melhor túnica para… meu filho. E…anel no seu dedo e sandálias nos pés. 23… Vamos fazer um banquete. 24-25O… mais velho estava no campo. Ao voltar… 26… chamou um dos criados…27 O criado respondeu: ‘É teu irmão que voltou. Teu pai matou o novilho gordo… 28Mas ele… não queria entrar. O pai, saindo, insistia… 29Ele…: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos… E tu nunca me deste um cabrito para eu festejar…30… esse teu filho,… matas para ele o novilho cevado’. 31… o pai: ‘Filho, tu estás… comigo e tudo o que é meu é teu. 32Mas era preciso festejar e alegrar-nos… teu irmão estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi encontrado’”.

B) Comentário
Devemos nos aproximar de Jesus para escutá-lo. Deixar sua voz entrar em nós e nos transformar.
Os fariseus se aproximavam de Jesus, mas não tinham a mesma intenção. E qual é a nossa?
Cada um deve pensar que é único, que é sempre um, de dois filhos. Minha vida, sua vida, é a metade do mundo de Deus.
Somos importantes para Deus. Ele não nos quer perder; e quando nos perdemos, Ele faz festa ao voltamos (v 6.9).
Toda recuperação bem lograda, é motivo de festa e alegria (v 32).
Somos convidados com insistência (v 28) a participar na festa do retorno do outro. E para festejar, é necessário sentir-se irmão e filho.
O mais velho não se sentia filho e sim empregado: ‘Eu trabalho para ti há tantos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua’ (v 29). Como nos sentimos diante de Deus e dos outros?
O Pai semeou valores em seu filho, que na angústia da vida tinha uma referência segura e resolveu: “vou voltar para meu pai” (v 18). Que valores nós ensinamos a nossos filhos?
Os filhos tiveram o mesmo pai. Que me falta para agir como filho e irmão, no projeto de Deus?

Leia nossos Colunistas