Homilia Dominical – Mc 13,33-37

A) Texto: Mc 13,33-37
Disse Jesus a seus discípulos: 33“Cuidado! Ficai atentos, porque não sabeis quando chegará o momento. 34É como um homem que, ao partir para o estrangeiro, deixou sua casa sob a responsabilidade de seus empregados, distribuindo a cada um, sua tarefa. E mandou o porteiro ficar vigiando. 35Vigiai, portanto, porque não sabeis quando o dono da casa vem: à tarde, à meia noite, de madrugada ou ao amanhecer. 36Para que não suceda que, vindo de repente, ele vos encontre dormindo. 37O que vos digo, digo a todos: vigiai!”

B) Comentário
O texto de hoje está ligado ao versículo anterior: “Daquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, somente o Pai” (32).
Sempre houve um interesse crescente por saber o fim do mundo e o que fazer dele. No entanto a única dica segura nos é dada pelo mestre, que é a da vigilância constante (33-37).
Nenhum ser saberá o dia e a hora de Deus (32); a nenhum ser humano é concedido saber, nem mesmo ao Deus humanado.

Como é que Jesus não sabe se é igual ao Pai (Jo 10,30)? Aqui o saber é um termo visto em dimensão hebraica; não é um saber especulativo e sim um saber de iniciativa e decisão, reservado somente ao Pai: “Iahweh conhece a estrada dos justos, e destroce a via dos ímpios”(Salmo 1,6). E há decisões do Pai, apresentadas pelo Filho (Mt 20,23; Mc 10,40). As decisões do Reino são de compito estritamente do Pai, o Filho não sabe; quer dizer, que o Filho não sabe para dar-nos esta revelação; ela é reservada ao Pai.
Assim como ninguém compra a passagem para ir ao céu, mas deve trilhar pessoalmente o caminho para lá, o final absoluto nunca nos será revelado, para que estejamos sempre preparados, em vigilância, em expectativa de bom proceder a contínuo, cada qual cumprindo bem a missão que lhe cabe; não se deve deixar para o fim, pois ninguém sabe quando será.
A frase de força maior e pensamento dominante é a de alerta: “cuidado! Ficai atentos… Vigiai!” A recomendação se destaca no início, no meio e no final deste texto do evangelho. Aliás, esta é uma chamada ao interesse aguçado de vigilância, que se faz presente no longo do capítulo 13 de Marcos (v 5.9.23.35.37).

Ora, a chegada repentina do Senhor pode ser desastrosa no final, se ocasionada pelo sono da incapacidade ou indiferença: “Não fostes capazes de vigiar comigo uma hora! (Mt 26,40)”. Por um lado, Jesus reclama a postura dos discípulos e por outro faz uma recomendação fundamental: “O que vos digo, digo a todos: Vigiai!” (v 37). O que sucede aqui é a resposta do mestre à pergunta inicial de três discípulos (Mc 13,3) e agora ela é dada a todo o grupo; e que parece estar presente na mente do evangelista, sendo destinada a todos nós, os cristãos.
Portanto, cuidemos de cuidar, daquilo que Jesus nos impera, nos ordena: Vigiai! Isto constitui a clave salvífica e necessária para garantir o feliz encontro definitivo com o Pai, no reino celeste.

Veja a Reflexão de Dom Alberto sobre o Primeiro Domingo do Advento:

Leia nossos Colunistas