Saber usar, saber fazer, saber ensinar …

Quantas vezes nos encontramos rodeados de ferramentas, informações e oportunidades, mas incapazes de utilizá-los de forma eficaz? A imagem do homem, na ponta dos pés, tentando espiar por cima do muro, é uma metáfora para nossa própria situação. Temos tantas “escadas” à nossa disposição – conhecimento, habilidades, tecnologia, relações humanas –, mas se não soubermos como organizá-las ou empregá-las corretamente, elas se tornam apenas um amontoado confuso, incapaz de nos levar a alcançar nossos objetivos.

A legenda nos lembra que não é a quantidade de recursos que determina nosso sucesso, mas sim a capacidade de usá-los sabiamente. É imprescindível aprender a organizar, priorizar e aplicar o que temos de forma inteligente e eficiente. Em um mundo que valoriza a acumulação – de bens, informações, contatos –, essa imagem e sua mensagem nos convidam a valorizar, antes, a qualidade da nossa interação com os recursos disponíveis.

Esta imagem e mensagem também se aplicam a contextos de fé e espiritualidade. Somos frequentemente lembrados de que as bênçãos e dons que recebemos têm um propósito maior do que a mera acumulação pessoal. São ferramentas destinadas ao serviço, ao crescimento espiritual, à construção de uma comunidade mais justa e fraterna. Assim, a imagem do homem e as escadas podem nos inspirar a refletir sobre como estamos utilizando os dons que nos foram confiados – se para construir muros ou pontes, se para elevar apenas a nós mesmos. A mensagem nos fala sobre a necessidade de alinhar nossas ações com valores mais profundos, seja na vida cotidiana, seja na busca espiritual. Nos lembra de que, no fim das contas, não são os recursos que possuímos que definem nosso valor ou nosso potencial, mas o que escolhemos fazer com eles.

Leia nossos Colunistas